sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Encontre sua feira orgânica nas férias

Se você tem a oportunidade de viajar nas férias, talvez você queira saber se encontrará uma feira orgânicano local onde passará suas férias?
Talvez até muda de local para encontrar uma feira orgânica e evitar ingerir agrotóxicos? Você pode encontrar esse mapa no site do IDEC, Instituto Brasileiro do Consumidor um mapa das feiras orgânicas no brasil: http://www.idec.org.br/feirasorganicas


quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

O shopping VItória está cheio de ciclistas

Eu voltei no shopping Vitória hoje e adorei. O bicicletário estava cheio de bicicletas!

Bicicletário 80% cheio! Isso somente 6 meses depois da sua implantação. Eu testei esse bicicletário em 29 de agosto e gostei muito! Tinha poucas bicicletas ainda na época! Enquanto isso, outros shopping como o Norte Sul ainda não tem bicicletário. Pior o Shopping Mestre Álvaro nasceu lastimavelmente sem bicicletário nenhum e a avenida João Palácio que passa na sua frente apesar de ter um fluxo intenso de ciclistas também não está contemplada por ciclovia enquanto está sendo duplicada e a prefeituea de lastimavelmente Vitória engavetou a ciclovia do novo Viaduto da Vale no jardim Camburi porque não tinha fluxo de ciclistas, ali num lugar sem acesso para ciclistas... Eu já enxergo que a competitividade de Vitória vai se tornar uma das piores para empresas por causa do trânsito e o apocalipse motorizado, não está longe como no Rio de Janeiro!

Enfim, parabéns ao shopping Vitória! Tu estás muito a frente das mentalidades da maioria dos gestores, empresários de Vitória!

Aqui está meu depoimento! No youtube (o vídeo não é encontrada por blogger.com, não sei por quê. Primeira vez que acontece isso!)




Grande abraços a todos os leitores, participantes. Feliz Natal. Muita saúde. Muit felicidade. Muito respeito!


domingo, 16 de dezembro de 2012

Obra sem ciclovia: desrespeito aos ciclistas continua


A casa caiu!
Hoje fui por acaso até o fim da ciclovia da Orla de Camburi e lembrei que de baixo do viaduto da Vale deveria passar uma ciclovia. Ô surpresa quando cheguei ali e percebi que a ciclovia para na orla e não leva os ciclistas por dentro do bairro. Mais uma vez a prefeitura cancelou uma infraestrutura para ciclistas. Já aconteceu algo parecido com os quiosques da praia de Camburi que foram entregues sem bicicletários. Com uma ciclovia que dá acesso ao bairro continuamos com uma ciclovia para o passeio de domingo? Fala sério!

No projeto divulgado tem ciclovia ou bicicletário.
No fim das obras nada...

Fonte Gazeta Online

Percebem a diferença entre o projeto e realidade?



Assim são tratados os cidadãos em Vitória?

Não surpreendentemente a relação dos cidadãos com o poder é conflitual e a cidade se mantem extremamente violenta. Se é assim num bairro de classe média, imagino que não devo ser melhor num bairro de classe baixa. Assim deve ficar fácil manipular os jovens que entrem facilmente no tráfico de droga. Assim a violência continua muito alta... Tudo é interligado. Se poucos acreditam no poder público como será possível que as coisas melhoram? Não é o ponto de partido?

O que é possível sem o respeito dos cidadãos pelo poder público? Sinceramente não sei!


Eu tinha colocado no mapa cicloviário de Vitória, uma linha amarela correspondendo ao projeto de ciclovia abrigado pelo viaduto da Vale e coloquei para verificar se está andando bem. Acesse o mapa nesse link.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Bicicletários no Brasil e no Japão...

Enquanto no Japão, eles já fazem bicicletários assim:



No Brasil, muitas vezes nem conseguimos um paraciclos assim de 200 reais!!


Isso é o século XXI! Bem vindos!!

domingo, 2 de dezembro de 2012

Transforme seus hábitos!

A feira do Verda 2012 (Vitória), fez a proposta de transformar seus hábitos. E você, o que você mudou para ser mais sustentável comparado a seus hábitos?

Eu acho interessante pensar a respeito das coisas que temos guardar, a "boas tradições", e as coisas que precisamos mudar. Esse própria reflexão está sempre em evolução ao longo do tempo, em função da nossa consciência. Penso de maneira totalmente diferente hoje do que alguns anos atrás. Minha consciência aumentou muito. Minha consciência ficou a frente das minhas ações e chega até a poder gerar conflitos!


Essa proposta da feira do verde caiu muito bem. 2012 é justamente o ano em que fiz várias mudanças para me tornar uma pessoa mas sustentável! Compartilho aqui essa mudanças:

1) Comecei o ano pensando no produtos orgânicos. Eu limitar minha ingestão de agrotóxicos. São os famoso 5 kg de agrotóxicos por pessoas por anos! Foi justamente o ano em que a prefeitura de Vitória escolheu para implantar uma feira orgânica na Praça do Papa que começou 21 de março de 2012. Montei mais recentemente um grupo no facebook para discutir esse assunto no estado: Grupo "Produtos orgânicos ES". O grupo está ainda engatinhando com poucos participantes. Ainda é difícil encontrar nas feiras algumas frutas mais simples aqui como laranja (atualmente), maçã e manga, por exemplo. Uma coisa que gosto de fazer é ir na feira orgânica do Bairro vermelho com minha esposa de bicicleta! É bom demais, super tranquilo, agradável!

2) Descobri várias coisas novas quando me interessei na alimentação viva ou crudivorismo. Comecei em abril a consumir green smoothie industrializados nos Estados-Unidos no café da manhã e continuei com Green Smoothies naturais de volta no Brasil. Voltei a comer mais verduras, saladas e a fazer sucos a noite no lugar do chá. Abandonei muito os produtos industrializados que costumam conter conservantes, produtos cancerígenos...
Em vez de comer biscoitos, por exemplo, eu passei a comer damasco seco ou uva passa com castanhas.
Eu emagreci mas eu  fiquei em particular muito mais saudável com menos gases intestinais, menos dores de barriga, e menos dores nas costas.
Eu culpava principalmente a água que antigamente eu bebia de garrafão. Depois dos escândalos que mostraram que algumas empresas capixabas usavam encanamentos enferrujados passei a usar um purificador da Europa mas ouvi falar que não é tão saudável segundo alguns gastro-enterólogo. No crudivorismo usa-se basta água de origem vegetal o que eu acredito deve ser mais saudável mas não tenho certeza! Usa-se por exemplo a água de coco.

3) Installei uma composteira Jora e reduzi drasticamente minha quantidade de lixo. Meu lixo orgânico é transformado em adubo! Estou fazendo crescer grama de trigo na primeira leva de adubo. É impressionante. Isso é bom para mim e em particular para o planeta porque reduz a produção de metano (CH4) na atmosfera, um gás que provoca mais efeito estufa do que o dióxido de carbono!

4) Algumas semanas atrás, decidi ir trabalhar somente de bicicleta. Antes eu alternava entre carro e bicicleta. É um pouco difícil, porque meu trabalho é longe é preciso fazer 47 km por dia! Meu tendão de áquiles talvez vão aguentar o trampo! Eu estou usando de vez em quando uma bicicleta híbrida (elétrica/propulsão humana) para aliviar um pouco minhas articulações e meus tendões que infelizmente não são tão resistentes quanto eu queria!

5) No início da semana da feira do verde, foi instalado na minha casa um aquecedor solar pela empresa Engearte! É maravilhoso, parece que sinto o calor do sol quando tomo banho. Evito gastar quilowatt-horas de energia elétrica capixaba que é muito suja e que está cada vez pior devido principalmente a implantação de uma nova termelétrica (nada a ver com a matriz brasileira que e bem mais limpa).

6) Desenvolvi recentemente uma técnica para secar as mãos sem gastar papel nenhum. Eu acho tão absurdo que se gasta tanto papel para secar as mãos enquanto poderiam ser usadas tolhas reutilizável...
Preciso ainda fazer um artigo sobre isso mas já posso explicar rapidamente como funciona. Utiliza um pouco de física, nada demais! O atrito é usado para evaporar a água das mãos! Basta bater inicialmente as mãos e esfregar elas devagar, logo você percebe que as mãos estão secas! Incrível? Gostou?

Tenho outras "ideias sustentáveis na cabeça ainda não implementadas e que talvez não implementarei:
- instalar um telhado verde para melhor o conforto térmico e gastar menos energia elétrica com ar condicionado
- como o Espírito Santo tem uma matriz energética suja e cada vez mais suja, penso também na  implantação de painéis fotovoltaicos e talvez acoplado com um pequeno gerador eólico assim que entrar em vigor a lei que permite interconectar essa produção elétrica com a rede (tie-grid) afim de poder usar essa minifábrica de energia elétrica sem bateria. Eu vi por exemplo um gerador fotovoltáico de 1,5 kWh nominal da Mitsubishi  que pode permitir gerar em torno de 200 kWh por mês. Não é barato mesmo, tem que querer muito!
- substituir totalmente meu carro por um velomóvel, um tipo de bicicleta um pouco especial que pode proteger da chuva como um carro e permite alcançar velocidade bem mais alta do que uma bicicleta!
- usar um chuveiro mais econômico (pulsado)
- talvez outras ideias que esqueci agora...

Enquanto isso continuo tentando promover o uso da bicicleta como meio de transporte na Grande Vitória, o que realmente não é uma tarefa simples!

sábado, 1 de dezembro de 2012

Eu vi. Nunca vi. Aqui e ali.

Aqui, vi tanto reasfaltamento de grande avenidas mas
nunca vi manutenção de ciclovia bem feita,
nunca vi rua transformada em ciclovia, 
nunca vi nem ouvi falar em policial multando carros estacionados em ciclovias,
nunca vi ciclovia que não alaga,
nunca vi lombada tão alta do que na ciclovia da Orla de Camburi.
nuca vi ciclovias destruídas por obras ser consertadas e voltar a ser como eram antes
Aqui, eu vi obras interditando totalmente ciclovia sem desvios organizados para os ciclistas.
mas aqui, nunca vi avenidas totalmente interditada para carros sem organização de desvio.
Aqui, eu vi ciclovias cheias de desníveis destruindo os braços e costas dos ciclistas mais resistentes,
Eu vi ciclistas arriscando suas vidas ao atravessar o Centro de Vitória.
Aqui eu não vi dignidade para os ciclistas.
Aqui, eu não vi qualidade de vida.


Assim são tratados os ciclistas. Sem dignidade, sem seriedade, com muito desrespeito. São eles cidadãos inferiores, aqueles mesmo que não poluem e não engarrafam uma cidade tão poluída e tão engarrafadas? Engarrafamentos e poluição não são os dois maiores problemas dessa cidades após os homicídios?

Eu fui na Holanda, em Eindhovem. Trabalhei 6 meses ali e fui todos os dias trabalhar de bicicleta.
Ali, nunca vi ciclovia que alaga com chuva quase quotidiana.
Nunca vi lombada em ciclovia na Holanada.
Nunca vi ciclovia destruída em 6 meses de commuting de bike na Holanda.
Nunca vi ciclistas frear para evitar carro.
Eu vi ciclistas com dignidade.
Eu vi respeito.
Eu vi qualidade de vida.

Aqui, precisamos fazer pior ?

domingo, 4 de novembro de 2012

Sobre Direitos dos ciclistas e politica de urbanização em Vitória

Já estudo como leigo em direito há alguns anos as leis municipais relacionadas ao ciclista, ciclovia, sistema cicloviário, bicicletários etc...

Identifiquei algumas leis ou artigos que podem ser discutidos em relação as praxes do poder público e a política de urbanização da cidade de Vitória. Eu vou abordar os dois assuntos que acho mais importantes e que podem ser resolvido imediatamente com custos ínfimos. Existem vários outros problemas que podem ser abordados que deixo para mais tarde.

1) O Plano Diretor urbano de Vitória de 2006 (lei municipal 6.705/06) define no seu artigo 34 as diretrizes da Política de Mobilidade Urbana. Eu cito aqui duas diretrizes que se referem aos ciclistas:
VII - apoio e incentivo às viagens não motorizadas;
VIII - priorização das calçadas e ciclovias em detrimento de estacionamentos nas vias públicas;

Podemos ver que foi feito poucas ações que dizem respeito a sétima diretriz de mobilidade urbana. Percebemos de fato que a maior parte do dinheiro dinheiro gasto para a mobilidade urbano foi investido em gastos para incentivar as viagens motorizados, em detrimento das viagens não motorizados.
Eu avanço que nenhuma ação do poder público municipal desde 2006 foi feito no sentido de aplicar a oitava diretriz de mobilidade urbana. Faça-se necessário pedir esclarecimento do secretário de desenvolvimento nesse ponto importante, antes que morrem mais ciclistas em Vitória.
Eu aponto especificamente dois locais onde são previstos ciclovias no plano cicloviário do PDU de Vitória (anexo 5) e onde a ciclovia poderia ser implementada por uma simples substituição das vagas de estacionamentos dos carros com custo extremamente baixos. Esses dois locais são:
- o centro de Vitória (avenida Getúlio Vargas e avenida Beira Mar) e
- a avenida Rio Branco.
Na travessia do Centro de Vitória, o direito a integridade física dos ciclistas não é garantido devido ao alto fluxo e alta velocidade dos veículo motorizados (a velocidade dos carros nunca é fiscalizada nesse trecho de alta perigosidade). Nesse local não existe alternativas viáveis para a maior dos ciclistas pois as ruas pequenas são repletas de subidas muito íngremes.

2) Na ciclofaixa da avenida Serafim Derenzi, os ciclistas perceberam que os carros podem ficar estacionado e nunca são retirados do local pela polícia de trânsito. Um direito de ir e vir com segurança está sendo negado aos ciclistas. O artigo 181 do CTB é claro nesse ponto (fonte: vadebike.org). Ele peça alem de multa a retirada do veiculo:

Art. 181. Estacionar o veículo:
(…)
VIII – no passeio ou sobre faixa destinada a pedestre, sobre ciclovia ou ciclofaixa, bem como nas ilhas, refúgios, ao lado ou sobre canteiros centrais, divisores de pista de rolamento, marcas de canalização, gramados ou jardim público:
Infração – grave;
Penalidade – multa;
Medida administrativa – remoção do veículo;

Aparentemente esse artigo não está sendo aplicado. Pedimos esclarecimento a respeito disso. Percebemos de fato que a ciclofaixa está sempre repletas de carros estacionados nela como mostra o vídeo a seguir do famoso Ciclista Capixaba.



Existem vários outros problemas, em particular problemas de ir e vir dos ciclistas com segurança em vários outros locais. Nos dois caso supramencionados porém percebemos que são possíveis ações imediatas, simples e de baixo custo pelo poder público municipal afim de melhorar tremendamente a segurança do ciclistas ou o direito de ir e vir dos ciclistas com segurança.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Ciclovia cidadã na capa da gazeta!

Hoje minha esposa me acordou com um presente! O jornal a gazeta publicou uma foto da ciclofaixa cidadã na sua capa! Que felicidade para mim ver essa capa. Foi o meu melhor presente de 2012! Parabéns ao jornal a Gazeta por levar esse debate na sua própria capa.



A prefeitura só promete, os ciclistas fizeram a ciclofaixa cidadã. Quando o governa está falhando o povo tem que tomar atitude. Chega de ciclistas mortos atropelados em Vitória na indiferença dos governantes, da mídia e da sociedade. Ciclovias já! Chega de engarrafamentos sem alternativa segura para todos os cidadãos.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Ciclofaixa cidadã em Vitória

Depois de 6 anos o extenso plano cicloviário do Plano Diretor Urbano de Vitória ficou quase integralmente no papel. Foram bem menos de 1 km de ciclovias por anos. Uma falha muito grave do último governo que perdeu logicamente as eleições para prefeito. A mobilidade urbana é o ponto mais sensível para os mordores da Grande Vitória. Quase nenhum morador consegue evitar os engarrafamentos, exceto os sortudos que conseguiram uma casa perto do trabalho ou um trabalho perto de casa ou os suficientemente ricos para poder uma casa perto do trabalho, coisa muito rara hoje, ou os ciclistas aventurosos como eu! Eu realmente pesquisei é o problema do trânsito é o maior problema dos cidadãos. O problema de segurança na grande Vitória mesmo se grave, é secundário para a grande maioria das pessoas. O trânsito atrapalha as pessoas todos os dias, o assalto é mais aleatório, raro, em princípio.
Para remediar a essa falha gritante do governo municipal atual, e para evitar mais mortes de ciclistas no trânsito, ciclistas da bicicletada, fizeram uma ciclofaixa cidadã. Eles não precisaram de bilhões não mas 3,6 litro de tinta! Agora a Reta da Penha está com ciclofaixa cidadã.


Vejo que a ciclofaixa pode abrir um debate sobre mobilidade urbana e para que as políticas de implantação do sistema cicloviário seja acelerada. No ritmo atual, receio de não ver a ciclovias do plano cicloviário do PDU de Vitoria construídas antes do fim do século XXI! Enquanto isso o prefeito de Bogotá fez 330 km em 4 anos! É um bom exemplo a ser copiado. Na escala de Vitória isso representaria 80 km de ciclovias em 4 anos, mais do que o plano cicloviário do PDTMU de Vitória! Seria maravilhoso e não é impossível! Já foi feito em Bogotá!!

Saiu no jornal a gazeta:
http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/11/noticias/cidades/1370618-manifestantes-pintam-ciclofaixa-em-trecho-da-reta-da-penha.html


terça-feira, 30 de outubro de 2012

Proteção das rodas de bicicletas

A melhor proteção é com travas boas. O ideal é usar duas travas distintas para roda dianteira traseira como no artigo "técnica para prender sua bike" que apresentei anteriormente onde um policial de Londres explique alguns princípios para prender sua bicicleta com segurança.

Eu uso um nível de segurança padrão nos ciclistas urbanos na California que usa uma trava é um "cabo flex" que permite prender uma segunda roda a partir da trava.A gente pode ver o arranjo que permite prender as duas rodas e o quadro no vídeo do artigo a nova era dos bicicletários em Vitória.

Surgiu na página do Ciclista Cpixaba no facebook uma discussão sobre proteção das rodas. Já apresentei acima o que pode ser feito. Existem outros sistema que ajudam nessa questão. Vou dar alguns exemplos:

Blocagem especial pentagonal (sem segredo). Os ladrões europeu já tem essa chave especial mas padrão.
http://www.amazon.com/Sunlite-Lock-n-Roll-Skewers/dp/B002K2IYPY

Existe o modelo oredon wheel guard que tem 90 combinações diferentes:
http://www.bikenet.cz/testy/test-oredon-wheelguard

Blocagem rápido que fica travado, exceto se você coloca de cabeça para baixo a bicicleta!:
http://www.lecyclo.com/produits/securite/fixations/antivol-roue-velo-avant-et-arriere-lock-n-roll.html

O vídeo a seguir mostre solução da oredon para roda, selim etc...


Collection Oredon 2009 || Présenté par LeCyclo.com por lecyclocom

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Para andar de bike o calor não é um problema!

Antes de ler esse artigo, cuidado porque quem usa a desculpa do calor excessivo no Brasil para não andar de bike vai ter que achar outra desculpa! Peço para quem realmente não quer andar de bike de por favor não ler esse artigo porque assim você poderia perder sua melhora desculpa esfarrapada para não andar de bike!

Conheço 4 técnicas principais para evitar o calor.

A primeira técnica mais simples é usar um casaco de algodão com capuz encharcado de água. Funciona super bem mas acabava em geral molhando a parte superior da calça o que não é muito agradável. Em Vitória, eu obtive uma autonomia de no máximo 40 minutos no verão, insuficiente para mim. Se você usa diretamente na pele é porém a técnica que resfria mais entre as técnicas que testei mas cuidado com resfriado mesmo no verão! Eu aconselho usar uma camisa dryfit ou parecida por de baixo do casaco. Na hora de chagar no trabalho, basta retirar o casaco. Você logo pode começar a trabalhar com a camisa dryfit que mesmo molhada não muda de aparência (testei com uma camisa de cor preta e dava certo).  Nunca tive nenhum resfriado por causa disso mas não posso garantir isso para outras pessoas. A vantagem dessa técnica e que é baratíssima, protege muito bem do sol, no pescoço e nos bracos! Para extender a autonomia, pode ser jogado água no casaco durante o trajeto com uma caramanhola ou um spray com água!

Colete com com pacotes de gelos
Testei uma segunda técnica no fim do ano 2010 mas ela naõ deu muito certo. Ela utiliza um colete com gelinhos (link para compra no site amazon.com). Tem um compartimento com gelinhos fixado com velcro e que pode ser separado do colete para colocar no congelador. Infelizmente tem uma autonomia de somente 30-40 minutos. Não deu certo para o meu trajeto é mais longe, entre 1h15 e 1h20. Eu também achei frio demais no início da pedalada.


A terceira técnica que uso atualmente é que está dando super certo usa um colete contendo um polímero superabsorvente (link para comprar no amazon.com) feito para absorver grandes quantidade de água, como as fraldas um colete com resfriamento por evaporação. Infelizmente o site amazon.com você não pode mandar esse artigo fora dos Estados Unidos mas um amigo do facebook me apontou para um vendedor no ebay nesse link. Hoje, 5 de novembro, só tinha dois coletes disponíveis! Eu estou até pensando em comprar um!
Recebi muitas perguntas a respeito do tamanho. Eu sou relativamente magro, 1m70 e uso o tamanho M que fica ótimo.
Você molhado o colete e em 1 ou 2 minutos o colete está pronto para o uso para algumas horas. Você tem que colocar em cima de alguma roupa que não muda de cor com a água ou a umidade e assim na hora da chegada no trabalho você chega menos suado do que o motorista usando ar condicionado no arro porque o motorista sempre sua nas costas! Eu uso camisas com proteção UV, por exemplo da marca UVline que quase não muda de cor. Não é 100% perfeito nesse ponto mas eu gosto bastante da camisa Istambul que me dá uma sensação maior de frio. Basta retirar o colete 5 minutos antes de chegar no trabalho para que a camisa começa a secar. Só falta banda refletor nesse colete para ser possível utilizar ele a noite. Aqui em Vitória, vale o resfriamento até a noite! Com esse colete eu quase me sinto na Holanda! Após 6 meses de uso sua autonomia caiu significativamente na ordem de uma hora quando o sol está muito forte.
colete com resfriamento por evaporação (ver também a foto de um artigo de jornal)
Para 1m70 e 70 kg, eu comprei tamanho M e deu certinho!


Colete com resfriamento por transição de fase
A quarta técnica usa um colete da marca Techniche que usa um material com transição de fase. O material mantem a temperatura do colete a 14 graus. É mais caro mas não precisa ser molhado e pode ser portanto usado com qualquer roupa e, por exemplo, de baixo do terno sem ninguém ver o colete! O preparativo do colete é um pouco mais lento (25 minuto e mais complicado porque o colete precisa ser resfriado na geladeira. Infelizmente o colete não pode ser mandado fora dos Estados Unidos. Tem que conhecer alguém lá para mandar para o Brasil. Eu ainda não testei essa solução em princípio mais avançada e não posso garantir que funciona bem mas ela é teoricamente uma técnica mais avançada que evita molhar as roupas. alguns clientes reclamaram que o colete não se ajusta bem no corpo. a estética desse colete não é muito boa mas a segurança deve excelente graças as bandas refletores.

Encontrei no ebay um colete similar  que combina a evaporação da água com um sistema de transição de fase (infelizmente só manda esse produto para os Estados Unidos). Assim o resfriamento continua mesmo quando você está parado! Muito interessante! Precisa ser testado!



em defesa do sistema pedelec para e-bikes


A revista bicicleta última revista bicicleta fez um artigo muito interessante sobre as bicicletas elétricas mas infelizmente se posicionou contra o sistema pedelec que obriga o ciclista a pedalar para acionar o motor. Por isto estou propondo a criação de um abaixo-assinado em defesa do sistema pedelec. O outro sistema é o sistema é parecido com uma motoneta onde o ciclista pode permanecer totalmente sedentária como vejo acontecer em Vitória.

sistema pedelec: pedalar aciona o motor (fonte: electric bicycle guide)


A revista bicicleta usa dois argumentos para justificar seu posicionamento. Um deles é falso e o outro muito questionável.
O argumento falso é a respeito do preço do sensor pedelec (sensor de pedalagem) que a revista diz ser caro. Verifiquei numa loja francesa que o acelerador de punho (19 euros) é mais caro do que o sistema de detecção de pedalagem pedelec (18 euros). Será que a revista estaria defendendo algum lobby? Será que ela está defendendo o sedentarismo? Não sei.


sistema pedelec solto (a esquerda) e montado no pedaleiro (a direita)


De fato, o outro argumento da revista é que uma tal bicicleta pode impedir alguns portadores de deficiência de poder andar nas ciclovias.
Não sei exatamente quais pessoas poderiam se enquadrar nessa situação? Não seria mais interessante tirar muito mais pessoas do sedentarismo com bicicletas elétrica com sistema pedelec afim de reduzir as ocorrência das doenças pulmonares no Brasil? (primeira causa de morte no Brasil se eu estou enganado)
De qualquer forma, poderia ter bicicletas especiais com acelerador de punho para as pessoas com deficiência com autorização de um medico.

Eu sou um exemplo da volta a pedalar ao usar uma bicicleta com sistema pedelec. Eu tinha problema no joelho que não me permitiam fazer meus 47 km diário sem dores. Peguei uma bicicleta elétrica com sistema pedelec para ver se melhoraria meu joelho e deu certo. Agora faço meus 47 km sem problema só uso de vez em quando a bike elétrica quando sinto o joelho.

Que tal fazermos um abaixo-assinado para isso?

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Tarde cultural contra os agrotóxicos

No domingo 21 de outubro, no Parque Moscoso vai acontecer uma tarde cultural contra os agrotóxicos com difusão do filme "O veneno está na mesa".

Estou pensando em formar um grupo de ciclistas para ir lá de bicicleta a partir do Jardim da Penha. Discussões no facebook no grupo Cilistas Vitória.

No Parque Moscoso  às 14 horas.

Links: evento no facebook e foto para para compartilhar.


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Ciclista morre atropelado por um ônibus na Serra

É mais um ciclista morto atropelado por um ônibus. Já aconteceu no 19 de junho em Vitória um atropelamento muito semelhante. Ciclista atropelado por um ônibus. A história se repete. Muito triste não tem palavra para descrever isso. Morrem de fato mais de dois ciclistas por dia no Brasil. Haverá amanhã 18/10 uma implantação  de uma bicicleta fantasma no local do acidente (google maps). às 19 horas. O evento está proposto pelo Ciclista Capixaba no facebook (link permanente). A imprensa local deve estar no local para cobrir a manifestação.

A notícia foi vinculada no jornal local de tal maneira que o ciclista parece estar errado. Nesses tipos de acidente, eu sempre vejo que quem errou foi o motorista.


De fato a roda foi muito amassada como podemos aos 33 segundos do vídeo. É possível a roda ser amassada desse jeito sem ter passada por de baixo da roda do ônibus?



Se uma roda que tem um diâmetro de no máximo 70 cm, passou por de baixo da roda do ônibus, como o ônibus poderia estar a mais de 1,5 metros?

Mesmo se o motorista for enquadrado no artigo 201 do CTB que é o seguinte:

"Art. 201. Deixar de guardar a distância lateral de um metro e cinqüenta centímetros ao passar ou ultrapassar bicicleta: 
Infração - média; 
Penalidade - multa.",

a punição seria uma perda de 4 pontos na carteira e uma multa de 85 reais! Eu sei que punir mais não solucionaria esse problemas mas mesmo assim parece absurdo não existir um artigo mais severo para os casos gerando a morte de uma pessoa em caso de infração do CTB? Estamos falando de motorista profissionais que andam o dia inteiro e não respeitam as leis.

Um internauta apontou para o fato de o ônibus ter uma câmera como podemos ver na foto no meio do círculo vermelho:



Com essa filmagem seria possível conhecer a velocidade de aproximação do ônibus em relação com o ciclista, ou seja conhecer as circunstâncias mais precisa do que aconteceu e confrontar elas com os depoimentos. Eu entendo que compete aos familiares cobrar da polícia essa análise.

O motorista poderia ser enquadra em outra infração do código de trânsito com a aproximação do ciclista com uma velocidade inapropriada.


Art. 220. Deixar de reduzir a velocidade do veiculo de forma compatível com
a segurança do trânsito:
XIII – Ao ultrapassar ciclista.
Infração - grave;
Penalidade - multa.


As leis referente aos ciclistas podem ser encontradas no CTB de Bolso editado pelo ONG Transporte Ativo.

Para concluir, se ônibus estivesse a mais de 1,5 metro de distância, não teria acontecido e se tivesse ciclovia no local, também não teria acontecido. Tristeza. Luto. Pensamentos para a família, para a filha.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Seminário aberto sobre Mobilidade Urbana em Vitória

No 25 de outubro, vai acontecer o primeiro seminário aberto sobre mobilidade urbana de Vitória. Os demais seminários nunca deixaram um tempo suficiente para os debates para perguntas, o seja, não contam!

Dessa vez vai ser diferente! As informações estão quase todas na imagem. Vai comecar às 16H no IC4 na UFES!

Está em particular previsto às 16H um GT sobre cicloativismo!

* Cicloativismo - A bicicleta como alternativa de transporte




O evento será retransmitido ao vivo nesse link:
http://passelivrees.blogspot.com.br/2012/10/i-seminario-aberto-de-mobilidade-urbana.html

Algumas receitas crudívoras do Doutor Alberto

Algumas receitas baseada na alimentação vivai ou crudivorismo apresentada pelo doutor Alberto:

Brigadeiros:



Pão essênio:




sábado, 6 de outubro de 2012

Espelhos de capacete

Os ciclistas que usam bicicletas convencionais não costumam muito usar um espelho e ainda menos um espelho de capacete. Quando eu comecei a andar de bicicleta reclinada precisei de um espelho e naturalmente o espelho de capacete se tornou o tipo mais interessante porque ele quase ausente de vibrações. Até quinta-feira passada, eu usava um espelho de capacete da zefal. É caro no Brasil mas no exterior, o preço era muito mais acessível acessível. Infelizmente a cola do espelho falhou durante o desafio intermodal, e ele quebrou quado eu tentei guardar ele num bolso. Comecei a busca porque não vivo mais sem espelho. Felizmente tenho uma bicicleta com espelho no guidão para ir comprar esse espelho!

Vários espelhos de capacete são disponíveis no exterior e podem ser comprado na amazon.com, no site dealextrem.com ou na Chain Reaction Cycles.com.

 No fórum dos ciclistas reclineiros, aconteceu justamente uma discussão aprofundada sobre o assunto espelho de capacete.

Pode ser usado também um espelinho de dentista mas ele é rígido e não pode ser ajustado.

Parece que Reevu até fabricou espelho de ciclista com espelho integrado com uma tecnologia um pouco mais avançada!

Capacete da Reevu
O espelho também pode ser caseiro! Encontrei um espelho feito com prenderdor de papel (arquivo em pdf). Outro espelho feito com um raio de roda de bicicleta e tem o espelho do Klaus que parece o mais simples de implementar com um espelho barato de duas rótulas...

espelho caseiro @Klaus

Existem também espelhos de óculos, chamado geralmente de take a look ou third eye (outra versão).

Cicloredes nos bairros de Vitória

Cicloredes nos bairros de Vitória

A cicloredes nos birros de VItória foi um projeto ambicioso que foi engavetado, aparentemente por causa de brigas políticas. A apresentação (em pdf) intitulada "Cicloredes nos bairos" descreve esse projeto muito interessante! Ela  discute a implantação de ciclovias no bairro Jadim da Penha (Vitória)



Neste projeto, o Jardim da penha era o bairro piloto onde a prefeitura de Vitória devia implantar as primeiras ciclovias dentro de um bairro. Parece que a apresentação aconteceu em Florianópolis.

A mesma autora escreveu um artigo sobre o projeto Cicloredes no qual é apresentado uma pesquisa de tr.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Desafio intermodal Vitória!

Vitória vai finalmente ganhou seu Desafio Intermodal graças ao Ciclista Capixaba que organizou o evento com ajuda de de um grupo de pessoas, enter eles vários participantes da Bicicletada Vitória. Para a preparação, muitas discussões aconteceram no Grupo "Ciclistas Vitória" no facebook, um grupo onde são discutidos todas ações referente ao desenvolvimento do ciclismo urbano na Grande Vitória.
 O desafio intermodal aconteceu na quinta-feira 4 de outubro com largada às 18 H no aeroporto de Vitória, em direção ao Palácio Anchieta.

crédito: Renan Rossi Dias



Resultados



O evento teve cobertura da TV Gazeta:




Eu gravei o trajeto de bicicleta nas rotas alternativas. Nesse trajeto podemos ressaltar o trecho de rota que passa por dentro de Goiabeiras, passando perto das Paneleiras, evitando o trecho da avenida Fernando Ferrari sem ciclovia onde morreu atropelado um ciclista.


Rota alternativa do desafio intermodal Vitória 2012 com menos carros (15,1 km)
EveryTrail - Find hiking trails in California and beyond






segunda-feira, 1 de outubro de 2012

De apartheid veicular a reconciliação

O blog bicyclop escreveu o artigo "Ciclista adota câmera para unir as pessoas". Eu adorei esse título e pensei logo na reconciliação entre preto e brancos na África do Sul após o fim do Apartheid, liderada por Nelson Mandela e bem descrita no filme Invictus .






 


Coisas ruins aconteceram e acontecerão com os ciclistas. Mais ciclistas morreram. Nenhum motoristas morreram. Só teremos um pouco de êxito quando a paz existirá. Porém, ainda aconteceram de vez em qunado acidentes fatais como na Holanda mas os motoristas se sentiram culpados, arrependidos, receberam uma punição justa etc... Por enquanto não existe isso.
Nunca vi arrependimento de um motorista, exceto o filho do Eike Batista mas porque talvez porque as circunstâncias agravantes precisavam desse discurso. Foi provado que estava andando muito acima da velocidade limite no local, o que por passagem, é o caso da maioria dos veículos...

Os vídeos de denuncias parecem necessários diante da gravidade dos fatos que levam, de fato, a mortes de ciclistas todos os dias no Brasil. É realmente um problema de direito humano, envolvendo o direito de poder escolher seu tipo de veículo, de querer não poluir, de se deslocar, de viver... Cadê os defensores dos direitos humanos? Eles estão resolvendo problemas mais graves? Assim precisamos de uma discussão ampla e precisamos elevar o nível das discussões. De fatos estamos frequentemente ficando a nível das emoções mas precisamos refletir, pensar, discutir esse problema. Não vai ser fácil. Muita gente não se eleva muito acima das emoções e do funcionalismo básico, acha que reflexão é inútil. É exatamente o que vejo, não só do lado dos motoristas infratores ou defensores dos infratores mas também do lado dos ciclistas. Certa vez li que o problema do trânsito é uma questão mais de ciência humana do que de pura engenharia...
e alias
na maioria das vezes não gosto das abordagens dos vídeos. Eu mesmo já postei um vídeo desse tipo no artigo "Desrespeito em ciclovia e perigos de andar de bicicleta nas ruas de Vitória". Felizmente o vídeo ainda não era feito com uma câmera com grande angular que dá mais Ibope na rede.
De fato, pior do que não gostar, eu duvido fortemente da sua eficiência. Por enquanto está parecendo colocar mais distância entre ciclistas e motoristas. Não sei se ocorrerá a reconciliação ou nem talvez como, se for o caso, mas não vejo a aplicação rígida da lei como solução rápida.


Estamos de fato submetido ao apartheid veicular, o que comparo ao apartheid da Àfrica do Sul.
Se quem tem poder hoje não quer nos livrar desse apartheid rapidamente, saberemos ir além das briga, de brigas, de uma guerra, de uma possível vingança futura ou atual? Tal é nosso desafio.
 
Que quem um dia recebe poder novo, trabalhe para a paz e o perdão. Assim haverá possibilidade de reconciliação. Não se faz paz acabando com pessoas, com motoristas. Isso se chama de guerra. É guerra não funciona. Como diz o poeta Francês Jacques Prévert "Quelle connerie La guerre". 



Não sei a melhor tradução desse verso em Português mas eu vou tentar uma: 

"Que idiotice a guerra"!



verso de Prévert "Quelle connerie la guerre"
na música La Guerre
da banda Francesa La Tordue

sábado, 29 de setembro de 2012

legalização das bicicletas elétricas: a epopeia legislativa continua!

A epopeia da legalização das bicicletas elétricas continua. Viva Brasil! O jornal O Globo publicou um artigo sobre as ameaças da procuradoria regional da república para a prefeitura do Rio e das bicicletas elétricas que foram autorizadas no Rio por decreto do prefeito Eduardo Paes após um incidente que relatei em outro artigo do blog (epopeia das e-bikes). Essa luta parece mais uma luta ideológica do que de direito.




foto de bicicleta elétrica no wikipedia


Vejo uma luta estúpida para impedir o desenvolvimento das bicicletas elétricas. Essa luta retrógrada começou com uma maldita resolução de um órgão executivo que decidiu que poderia legiferar e tomou uma decisão totalmente estúpida e contrário a o bom senso enquanto já existem normas lá fora há muito tempo. Era só copiar uma norma disponível. O trabalho era zero! Mais estúpido ainda é uma norma obsoleto como essa que se tornam superior a uma lei, um decreto. Isso é totalmente inadmissível. Além disso podemos imaginar que existe uma luta de forças ocultas para barrar as bicicletas elétricas. É mesmo bem patético!

Precisa verificar se não houve alguns problemas nessa procuradoria da república? Como pode acontecer uma coisa tão estúpida. Há uma tentativa de recuperação política? Pelo amor de Deus, as e-bikes já foram definidas há muito tempo nos outros países desenvolvidos. A Europa que conta não sei quantos países já definiu uma norma para as e-bikes desde 2002. Não tenho palavra para definir quem luta para impedir elas no Brasil.
Basta fazer uma norma que obrigar as pessoas a pedalar em e-bike e o veículo se torna automaticamente e claramente uma bicicleta, um veículo híbrido e não totalmente elétrico. Basta usar a norma europeia e usar as novas modificações previstas nela (potência maior de 350 W em vez de 250 W para poder passar as subidas mais íngremes com maior facilidade).
A própria resolução do CONTRAN define que as e-bikes têm que ter placa e o usuário uma "Autorização para Conduzir Ciclomotor" (ACC) que aparentemente nenhum DETRAN entergue!! Estúpido mesmo! Alguém já conseguiu emplacar uma bicicleta elétrica? Se eu consigo fazer isso e se eu consigo a famosa e inexistente Autorização para Conduzir Ciclomotor ou se consigo provar que o DETRAN-ES não conhece ela, vou poder atravessar a terceira ponte* de bike? Pagando como se eu fosse uma moto? só vou precisar de um apoio para evitar um atropelamento porque na subida da ponte a velocidade da e-bike seria muito baixa m comparação com os 80 km/h ali permitidos!!

* Para quem não é da Grande Vitória, a terceira ponte é a única ponte de ligação rápida entre Vila Velha e Vitória que está proibida ao ciclistas. Uma grande reclamação dos ciclistas da Grande Vitória é poder usar essa ponte de alguma maneira, por exemplo, fazendo uma ciclovia passando por baixo das vias dos carros. Ali também não existe transporte aquaviário para atravessar de bicicleta!

Entrega é de bike! Obviamente!

Para o deslocamentos das pessoas, quase sempre se pensa em carro e a cidade se lota de carros, gerando engarrafamentos, estresse, perdas colossais de felicidade e produtividade para as empresas e a poluição da cidade não consegue se enquadrar nos padrões de qualidade do ar da OMS, crescem as ocorrência de doenças pulmonares... Felizmente algumas pessoas já não pensam assim e podemos ver o crescimento dos usuários de veículos não poluentes na cidade, como é o caso da bicicleta.
Se a gente pensa em empresa, a bicicleta parece ainda mais ficar esquecida e o carro parece ser quase imprescindível como se bicicleta e empresa moderna, eficiente estivessem duas coisas totalmente incompatível. Essas novas empresas de bike messenger, que estão nascendo como a Ciclo Courrier no Rio estão mostrando exatamente o contrário! A moto é de fato muito poluente, ela pode gerar muito mais poluição do que o carro. Vale a pena trocar moto por bicicleta! "A saúde das pessoas das cidades agradece". A empresa que usaria esse serviço poderia evidentemente se prevaler de ser mais sustentável e aproveitar para fazer um marketing ambiental baseado nisso. Empresários, a bike está na moda! Espero o dia que tem um disque pizza de bike!!

crédito: Fernando Schubach/Ciclo Courier (Rio de Janeiro)


O famoso blog Vadebike, fez um artigo sobre esse assunto onde ele coleta, os dados de empresas de bikeboy e onde as empresas podem entrar em contato para deixar seus dados. Se tiver algumas empresas Capixabas, eles podem me contatar, eu colocarei os seus contatos nesse artigo!

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Qual trava ou cadeado para prender sua bicicleta com segurança

Eu vou hoje abordar uma questão importantíssimo: Qual trava ou cadeado utilizar para prender sua bicicleta com segurança ?

Eu aconselho o conjunto mostrado na foto abaixo que é bastante utilizado nos Estados Unidos onde também tem bastantes problemas de furto de bicicletas. O conjunto trava em U e cabo "kryptoflex" permite prender para prender o quadro e as duas rodas com bastante segurança. Se realmente, o ideal é ter uma trava em U e uma outra trava de natureza diferente como discuti num outro artigo que mostra como prender sua bike num para ciclo em U invertido.
Trava em U Kryptonite evolution 4 e seu cabo Kryptoflex (tamanho 120 cm ou 4 pés)
trava em U: http://www.amazon.com/Kryptonite-Evolution-Standard-Bicycle-Bracket/dp/B000LPG3D2/ref=sr_1_1?s=sporting-goods&ie=UTF8&qid=1348844588&sr=1-1&keywords=Kryptonite+evolution+4
cabo flex: http://www.amazon.com/Kryptonite-720018210818-KryptoFlex-Double-Security/dp/B000NORUJW/ref=sr_1_1?s=sporting-goods&ie=UTF8&qid=1348844693&sr=1-1&keywords=Kryptonite+kryptoflex+4

Com esse sistema, você prende a roda dianteira com o cabo e você prende  a roda traseira com o paraciclo ou o poste de luz.


Eu também postei esse vídeo no artigo onde mostro o "novo" bicicletário do shopping Vitória.




Não encontrei essa trava com o cabo flex para comprar no Brasil. Ela precisa aparentemente ser comprada fora do País, por exemplo na amazon.com:
http://www.amazon.com/exec/obidos/ASIN/B004C94T84/ref=nosim/kkorg-20

Existe porém uma trava da kryptonite, um pouco menos robustas mas que já muito boa no loja ciclourbano.com:
http://www.ciclourbano.com.br/acessorios/travas/kryptonite-u-lock-keeper-12.html
Com ela você pode comprar o cabo flex na amazon.com, por exemplo:
http://www.amazon.com/Kryptonite-720018210818-KryptoFlex-Double-Security/dp/B000NORUJW/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1348849190&sr=8-1&keywords=Kryptonite+Kryptoflex+4

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Passeio cultural de bicicleta no Centro de Vitória

O 1º Passeio Ciclístico Cultural – Centro Histórico de Vitória será realizado no próximo dia 30 (domingo) das 8 às 11 horas. Fazendo parte da 6ª Primavera dos Museus, essa atividade irá aliar a prática esportiva, o lazer e a formação cultural em um trajeto que passará por 27 patrimônios arquitetônicos, entre museus, espaços culturais, igrejas e imóveis significativos do centro Capital. Os interessados em participar do
Passeio devem se inscrever pelo e-mail: passeiociclistico@secult.es.gov.br.
O início do percurso será na entrada do Parque Municipal da Gruta da Onça, em frente ao Chafariz da Capixaba. Lá será feita a distribuição de camisetas e squeezes para os 300 primeiros participantes inscritos. Os ciclistas contarão com pontos de distribuição de água ao longo do trajeto, que será finalizado na Catedral Metropolitana de Vitória com sorteio de brindes.

Um grupo vai sair do Jardim da Penha. A concentração começa às 7h00 em frente do posto de gasolina que fica do lado do Clube dos oficiais e a saída á prevista às 7h30.

evento no facebook: https://www.facebook.com/events/110026325816992/112584668894491/?notif_t=plan_mall_activity

Mapa do percurso:

 
O 1º Passeio Ciclístico Cultural – Centro Histórico de Vitória é uma realização da Secretaria de Estado da Cultura do Espírito Santo (Secult), e integra o seu Programa de Educação Patrimonial. O evento conta com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura de Vitória, o Instituto Goia, a Federação Espírito Santense de Ciclismo, a Vix Bike Shop e a Secretaria Municipal de Turismo de Vitória.

SERVIÇO:
1º Passeio Ciclístico Cultural – Centro Histórico de Vitória
8 horas - Concentração e a retirada dos kits (camiseta + squeeze) - Entrada do Parque Municipal da Gruta da Onça
9 horas - Início do percurso (ao longo do passeio, será fornecida água para os participantes)
11 horas - Chegada na Catedral Metropolitana (ponto final do trajeto onde haverá sorteio de brindes).

Inscrições pelo e-mail: passeiociclistico@secult.es.gov.br

Mais informações:
http://museudeartes.wordpress.com/2012/09/24/inscricoes-abertas-conheca-a-historia-de-vitoria-sobre-duas-rodas/

domingo, 23 de setembro de 2012

Epidemia de bicicletários da Vitória se espalha e alcança o Shopping Praia da Costa

Depois do shopping Vitória iniciar a nova era dos bicicletários, a epidemia se espalha para Vila Velha. O Shopping Praia da Costa instalou de fato o maior bicicletário da Grande Vitória onde podem ser instaladas 70 bicicletas segundos relatos de ciclistas no facebook! O shopping de fato utilizou um formato de paraciclo excelente, em U invertido. O melhor que pode ser instalado. Agora a maioria dos ciclistas precisa aprender a prender sua bike com segurança, pelo menos com uma trava em U, para evitar furtos.



Parabéns Shopping Praia da Costa!!




terça-feira, 18 de setembro de 2012

O genocídio dos ciclistas vai continuar em Vitória?

Na Grande Vitória,vários motoristas de ônibus continuam acreditando que não é necessário respeitar a distância de 1,5 metros em relação com os ciclistas. No vídeo abaixo, se o primeiro motorista teve um comportamento adequado, o segundo infringiu a lei duas vezes, passando muito perto do Ciclista Capixaba e ultrapassando ele com uma velocidade muito inadequada.



No Brasil morrem pelo menos 2 ou 3 ciclistas por dia. Algum deles morrem por causa dessa falta de consciência extrema de alguns motoristas como o segundo motorista do vídeo.

O que está sendo feito para evitar que esse comportamentos continuam do mesmo jeito? Nada?
A lei tem que ser respeitada? Se o Estado não cumpre suas obrigações de proteger os cidadãos mais fraco, isso significa que o próprio cidadão precisa fazer justiça?

sábado, 15 de setembro de 2012

2a fase do projeto Cidades para Pessoas

O projeto Cidades para Pessoas é um dos projetos mais influentes no cenário brasileiro para defender a bicicleta como meio de transporte nas cidades. Com a Renata Falzoni, a jornalista Natália Garcia que coordena esse projeto é umas das jornalistas mais envolvidas na questão da bicicleta na cidade. O projeto dessa jornalista está entrando em uma segunda fase, depois de passar em cidades como Copenhague, a jornalista prevê visitar outras cidades como São Francisco, Portland, México, Nova York e Barcelona. Você pode apoiar financeiramente essa iniciativa fantástica entrando no site Catarse de financiamento colaborativo. Sua contribuição pode ser a partir de 15 reais! Já vou dar minha contribuição. O objetivo é alcançar 15 000 reais para poder implementar o projeto.

Cada uma dessa cidade tem caraterísticas muito interessantes:
- Em São Francisco, nasceu o Critical Mass 20 anos atrás. O projeto prevê a participação dos 20 anos do Critical Mass, movimento de engajamento cívico em que ciclistas ocupam as ruas da cidade em uma pedalada na última sexta-feira do mês na hora do rush – no Brasil, o Critical Mass é chamado de Bicicletada e acontece em várias cidades.
-Portland. Segundo o blog da jornalista, Portland é a cidade mais ciclável dos Estados Unidos. De fato, não canso de falar dos maravilhosos bicycle boulevard de Portland que poderiam muito bem ser implantados em bairros residenciais de cidades brasileiras com custo de implantação muito menor do que ciclovia.
- México, onde discute-se como a economia criativa pode desenvolver uma cidade com mais qualidade de vida para seus cidadãos.
- Nova Iorque vamos acompanhar de perto projetos interessantes, como a criação da uma estrutura cicloviária em toda a cidade
- Barcelona, projetos como o 22@, que revitalizou um antigo bairro operário da cidade.




Encontre mais informações o blog Planeta Sustentável da Abril, no próprio blog Cidade para Pessoas no site da Abril, na página Cidade para Pessoas 2 no Catarse.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Muito melhor do que formula 1!

Esse vídeo incrível mostra uma corrida de velomóvel na Austrália, the Australian Intrnational Pedal Prix 2012! Curti muito mais do que a formula 1! Tem até acidentes!! Genial!


terça-feira, 4 de setembro de 2012

Mobilidade Urbana é solução

Aconteceu no 4 de setembro de 2012, em Vitória, um evento chamado "Mobilidade Urbana é solução" com a ilustra presença de Enrique Peñalosa, o ex-prefeito de Bogotá.

O evento começou com o atraso do governador que provavelmente ficou preso no trânsito! Brinquei na hora: "eu acho que ele não veio de bicicleta..." (Eu tinha vindo de bicicleta). Faltou talvez ter uma ciclovia na Terceira Ponte para ajudar?



Antes do início do evento Fernando Braga entregou para o Governador, o secretário de transporte Fábio Damasceno e Enrique Peñalosa, a versão impressa do CTB de bolso editado pela ONG Transporte Ativo. Um livreto muito bacana que relembra todas as regras de trânsito úteis para motoristas respeitar os ciclistas e ciclistas respeitar o CTB e conhecer as normas, regras, punições etc...

O evento abriu-se com a fala do presidente do Grupo Buaiz, Américo Buaiz Filho, dono da TV Vitória.

Em seguida foi a vez do governador que falou do plano de mobilidade urbano metropolitano. Ele também anuncio a criação de um plano cicloviário metropolitano, algo novo para mim.

Depois do governador, quem falou foi o Fábio Damasceno, que enfatizou os BRTs. Ele falou que a avenida Leitão deve ser ampliada para 3 pistas para desafogar a Reta da Penha onde deve passar a linha do BRTs. Fiquei um pouco surpreso porque não sei onde vai caber a ciclovia prevista no PDTMU de Vitória na Leitão da Silva. Será que ela vai ser deslocada para a Reta da Penha? Bizarro mesmo!

Antes do Enrique Peñalosa, foi a vez do Wagner Colombini que enfatizou ainda mais o sistema BRTs, chegando a idealizar ele como o melhor modal que pode ser feito para uma cidade!

Finalmente a última pessoa a falar antes da mesa redonda final foi Enrique Peñalosa. Ele falou muitas coisas interessantes! Ele enfatizou que o mais importante para conseguir uma mobilidade urbana boa, é restringir o uso do carro. Além disso o BRTs tem que ser de qualidade, para poder atrair pessoas de todos os níveis sociais etc... Ele insistiu também bastante sobre a importância de devolver o espaço público para os pedestres e os ciclistas para dar nova vida a cidade. Ainda é de fato o contrário que está sendo feito em na Grande Vitória. Em vez de restringir o fluxo dos carros, o trabalho sendo feito é desenvolvido para dar fluidez ao trânsito, isso quer dizer incentivar o uso dos carros! Ele explicou claramente que isso nunca deu certo em nenhuma cidade do nosso planeta!! Quem sabe deu certo em outro planeta ou galáxia?


Apesar de ter visto uma pequena evolução no discurso das autoridades do Estado, com o anúncio do plano cicloviário, por exemplo, as ações para tornar mais sustentável a Grande Vitória são muito tímidas. Permaneceu claramente o paradigma antigo que consiste em duplicar as vias, de tirar os "gargalos" e assim várias obras em andamento continuam sem ciclovia, assim como novos projetos, por exemplo na avenida João Palácio na Serra, ou na rodovia José Sette em Cariacica...

A mesa redonda final reuniu os secretários de transporte de Vitória, Serra, Vila Velha e Cariacia, Fábio Damasceno, uma representante ou presidente do sindicato da GV Bus e Enrique Peñalosa. Enrique Peñalosa respondeu a maioria das perguntas. Depois o animador sugeriu dar a palavra aos secretários de transporte, acabando de fato com a discussão interessante. Mais uma vez, o momento mais interessante de discussão, perguntas, reflexões foi encurtado. Esse tipo de coisas é infelizmente muito frequente nesses eventos políticos. Eu acho isso muito triste, lastimável enquanto tinha uma discussão muito interessante... Merecemos mais do que isso. A mesa redonda precisa de uma hora, pelo menos, se tiver assunto para debater!

A respeito dos secretários de transporte, eu notei em particular que o secretário de Cariacica se vangloriou de ter asfaltado 100 km de vias. A secretária de transporte da Serra reclamou das dificuldade para realizar obra e citou um poste de energia elétrica na obra da avenida João Palácio que está emperrando a obra há muito tempo... Enfim ficou claro que o trânsito vai piorar por muito tempo na Grande Vitória se não houver renovação drástica da classe política que deve gostar de ver a população sofrer longas horas no trânsito, e em particular, os mais humildes, que cada vez mais tem que morar mais longe do centro por causa da especulação imobiliária no contexto de crescimento rápido da população, na região metropolitana.

sábado, 1 de setembro de 2012

Quem dirige carro perde três vez seu tempo

Meus colegas motoristas me falam que eles não andam de bicicleta porque não tem ciclovias e pensam que andar de bicicleta nas rua não é muito inseguro. Com as rotas alternativas, já podemos portanto atravessar Vitória inteira e ser ultrapassado por menos de um carro por quilômetro. Nada mal. Eu acredito que o calor é também uma outra razão para eles não querer usar a bicicleta para ir trabalhar mas já postei um artigo apontando para algumas soluções técnicas para amenizar o problema do calor. Além dessas duas desculpas clássicas, eles também acreditam que eles vão perder tempo de bicicleta.

Na verdade os motoristas perdem muito mais tempo do que eles pensam. Tem pelo menos 3 maneiras de perder seu tempo:

- a primeira vez no engarrafamento. Fica difícil avaliar a velocidade média quando a gente fica preso num engarrafamento. Eu não ando só de bicicleta mas eu  também uso o carro os dias em que não consigo atingir meu local de trabalho de bicicleta, ou seja 2 ou 3 vezes por semana. Eu percebi que minha média oscilava entre 21 e 27 km/h quando eu me desloco para o trabalho, passando pelo centro de Vitória. Minha média de bicicleta híbrida está em torno de 20 km/h e não depende do trânsito. Se tiver muito trânsito pode até ser melhor para mim porque posso andar em grandes avenidas com bastante segurança sem precisar andar nas rotas alternativas que geralmente precisam usar caminhos um pouco mais longos.
- a segunda vez é  o tempo de trabalho necessário para pagar um automóvel. Quanto tempo de trabalho quotidiano servem unicamente para comprar o veículo para ir para o trabalho? O pensador Ivan Illich justamente desenvolveu o conceito de velocidade generalizada que descreve esse fenômeno detalhadamente.
- a terceira vez é não aproveitando o tempo de transporte para se manter em boa condição física. O motorista deverá encontrar um outro momento durante a semana para fazer esporte, que seja um prazer ou não, ou subir as prováveis consequências da falta de atividade (obesidade, problemas cardiovasculares, ou outros problemas, reduzindo estatisticamente a sua esperança de vida e sua qualidade de vida). E se devemos pegar de novo o carro para ir até o local onde praticamos esporte, quanto tempo perderemos no total?

O conceito mais interessante citado acima é o conceito de velocidade generalizada que utilize além do tempo para se deslocar, o tempo para cobrir todas as despesas do meio de transporte utilizado. Esse tempo depende do salário hora da pessoa. Uma pessoa com salário elevado pode comprar um carro mais rapidamente que um operário. Ela é calculada a partir da distância percorrida divido pela soma dos tempos de deslocamento e do tempo para pagar as despesas. A velocidade generalizada máxima de um meio de transporte pode ser calculada como a razão entre o salário hora divido pelo custo por quilômetro. É possível mostrar que as velocidades generalizadas são de no máximo 14 km/h para bicicleta e carros mesmo para quem tem um salário-hora alto, ou seja, a velocidade generalizada para uma bicicleta é tipicamente da mesma ordem de grandeza do que a velocidade generalizado de um carro... Não se perde tempo de bicicleta.

Prometo que eu vou escrever um artigo específico sobre velocidade generalizada se os leitores se mostram interessados nesse assunto!

Fontes:
www.ta.org.br/site2/Banco/6clipping/Bicicleta.pdf (sobre velocidade generalizada em Português)

Fontes (em Francês):
http://toutpeutarriver.wordpress.com/2009/03/09/vitesse-generalisee/
http://www.nord-nature.org/publications/bulletin/102/102b1.htm
http://fr.ekopedia.org/Voiture