sábado, 30 de junho de 2012

Eu vi a concubina da hemoglibina

Morreu um ciclista. Na Fernando Ferrari. Fernando não merecia isso, ele que nem a corrupção aceitou! É a guerra nas ruas brasileiras? É um conflito étnico? Se você não polui deverá morrer?
Entre 2 e 3 ciclista morrem todos os dias no Brasil. Eu vi a concubina da hemoglibina. Música francesa sobre as guerras, com legenda em Inglês.




J'ai vu la concubine de l'hémoglobine
Balancer des rafales de balles normales et faire des victimes
Dans les rangs des descendant d'Adam
C'est accablant, troublant, ce ne sont pas des balles à blanc
On envoie des pigeons défendre la colombe
Qui avancent comme des pions défendre des bombes
Le Dormeur du Val ne dort pas,
Il est mort et son corps est rigide et froid
J'ai vu la concubine de l'hémoglobine
Chez les vietmin au Vietnam, sous la forme de mines et de Napalm
Parce que la science nous balance sa science
Science sans conscience égale science de l'inconscience
Elle se fout du progrès, mais souhaite la progression
De touts les processus qui mènent à l'élimination

J'ai vu la concubine de l'hémoglobine
Morne comme l'automne, un printemps en Chine
Ça c'est assez, passé, assez gâché, cassé
La porcelaine de peine, qu'est la colombe de la paix
L'art de la guerre tue de jeunes bambins,
l'œuvre de Kim Song Man reste sur sa fin
La guerre niqua, Guernica
Et comme le pique-assiette, Picasso la repiqua
J'ai vu la concubine de l'hémoglobine
En campagne électrorale dans des magazines
Jovial, mais bancal, le politicien s'installe
comme le dit I'AM : "c'est un hold-up mental"
Je les dose avec le prose combat
Pose avec le mic, le mic est devenu ma tenue de combat
J'aime la politique quand elle a assez de vocation
Pout lutter contre les processus qui mènent à l'élimination

J'ai vu la concubine de l'hémoglobine
Dans ma lutte économique, Kalach-M16 [Sixteen]
L'opinion s'aperçoit vite qu'il y a des malheureux,
Quand le sol vire au rouge viennent les casques bleus
Le SOLAARSENAL est équipé de balles vocales,
Face au sol-sol, sol-air, Solaar se fait radical
Constate le paradoxe du pompier pyromane, hum
C'est comme si la mafia luttait contre la mafia
J'ai vu la concubine de l'hémoglobine
Se faire belle comme les voûtes de la Chapelle Sixtine
Pour l'alphabétisation des néo-fachos, à froid ou à chaud,
avant le Bachot, ils souhaitent le Cachot, va revoir Dachau
Tel est le béaba de l'A B C du jeune Facho
C'est la horde aux ordres d'un nouvel ordre
Un peu partout dans les villes du globe, les crétins tissent leurs cordes
J'ai vu la concubine de l'hémoglobine
Elle aime la prolactine et les black smokings

J'ai vu la concubine de l'hémoglobine
J'ai vu la concubine de l'hémoglobine

Voici un extrait de ma pensée profonde,
Ma guerre des nerfs parce que l'ignorance c'est le nerf de la guerre,
On nous dit, Dieu est lumière, nous sommes tous frères,
Mais on constate que la lumière est éteinte,
je souhaite que nous ne fassions plus les mêmes erreurs,
c'est dur à dire, mais...
J'ai peur.


http://pt.wikipedia.org/wiki/Fernando_Ferrari
http://fr.wikipedia.org/wiki/Le_Dormeur_du_val

Ciclista morre em trecho da Fernando Ferrari sem ciclovia

Na segunda-feira 19 de junho morreu atropelado um ciclista em circunstâncias mal esclarecidas. Só temos certeza que foi atropelado por um ônibus do sistema Transcol num trecho da nova avenida Fernando Ferrari que foi entregue sem ciclovia. Segundo a notícia da Folha Vitória o ciclista estava andando na mão e na foto dá para ver que ele estava na posição certa, perto do meio fio. A Notícia da TV gazeta (rede globo) é incompatível e afirma que o ciclista estava andando na calçada e teria se desequilibrado ao bater em uma placa.

Não sabemos o que realmente aconteceu mas entre a alta velocidade dos ônibus e carros nesse local (frequentemente ou quase sempre acima do limite), pistas estreitas, falta de ciclovia, grande fluxo de carros, de pedetre e de ciclistas, temos todos os ingredientes reunidos para acontecer mais acidentes fatais nesse local.

Segundo informação compartilhada por um vereador, o trecho de ciclovia faltando não foi implantado por causa de um problema de desapropriação. A ciclovia ficaria no canteiro central. Se o ciclista precisa atravessar duas vezes a pista para alcançar 800 metros de ciclovia no canteiro central, ou sej esperar duas vezes o sinal abrir para ele, eu receio que o ciclista simplesmente não faça isso e se arrisca na avenida, arriscando sua vida do mesmo jeito que está acontecendo agora.

O local está mostrado no mapa cicloviário da Grande Vitória com mais uma cruz vermelha.Em 2011 já morreram atropelada duas ciclistas na mesma avenida.


Mostrar o mapa cicloviária da Grande Vitória num mapa maior

 Na sexta-feira 22 de junho, aconteceu uma bicicletada especial para instalar uma bicicleta fantasma no local da morte. 


noticia posterior: A bicicleta fantasma sumiu há algum tempo... Não sabemos quem ou como isso aconteceu. Foi como se um túmulo tivesse sido vandalizado... Muita falta de respeito.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Opções de Jardins verticais e saúde

 Opções de Jardins verticais e saúde



O site ciclovivo apresenta para gente várias maneiras de fazer um jardim vertical, das mais baratas com garrafas PET, até soluções mais caras, por exmplo usando fibras de côco.

O jardim vertical é uma excelente opção para filtrar particulados e reter compostos orgânicos voláteis (COV), em particular para área fechadas.

O blog lilliverdi aponta para a palmeira areca que absorve formaldeído, fumo do tabaco, xileno e outros compostos orgânicos voláteis (COV). Pode ser usada em todas as salas, especialmente aqueles que são recém-pintadas ou com papel de parede recente. Muitos compostos orgânicos voláteis são ligados a occorência de cancer.

O dia que tiver um filho, se eu fizer um quarto novo para ele, eu vou colocar muitas plantas para absorver os compostos orgânicos voláteis!!

Cada planta tem funções específicas, absorve mais tal o tal compostos orgânicos voláteis. Eu preciso documentar isso no meu blog para saber qual plantas comprar, qual planta posso encontrar no Brasil ou mais especificamente aqui em Vitória!

O link para minha pesquisa que cita uma pesquisa americana a respeito de absorção de COv por plantas ornamentais: http://projectopegadaverde.blogspot.com/2009/11/plantas-ornamentais-de-interior.html


fonte:

http://www.ciclovivo.com.br/noticia.php/3302
http://lilliverdi.blogspot.com/2011/02/plantas-que-purificam-o-ar.html

domingo, 24 de junho de 2012

Ciclofresca: ciclovias sombreadas por arvores

Como aumentar a quantidade de pessoas se deslocando de bicicletas numa cidade?

Já abordei algumas vezes essa questão no blog. Parece que a questão da segurança no trânsito seja a questão mais importante na Europa onde o clima é geralmente mais ameno do que aqui no Brasil ou mais especificamente em Vitória. Aqui até durante o inverno, é frequente ver temperatura de 26ºC antes das 9 horas da manhã! A questão do calor é também importante. Eu descobri recentemente o conceito de ciclofresca que consiste em colocar arvore ao longo ou cobrindo a ciclovia de tal maneira que o ciclista fica andando na sombra e o ciclista tem menos vento.

projeto de Ciclofresca em Recife (fonte: Mobilize brasil)
A cidade de Recife está planejando essa tipo de ciclovia como mostra a foto.


Esse conceito é muito semelhante com a rua mais bonita do mundo em Porto Alegre, a rua Gonçalo de Carvalho que é completamente recoberta por arvores.

a rua mais bonita do mundo (fonte: Arquitetônico UFSC)

Na hora de urbanizar as cidades, é possível amenizar o calor e reduzir as radiações recebidas pelos ciclistas e pedestres. Isso pode fazer muita diferença e transformar uma cidade super poluída como Vitória em uma cidade mais favorável aos ciclistas e pedestres...

Fontes:
http://www.arquitetonico.ufsc.br/a-rua-mais-bonita-do-mundo
http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2012/01/rua-mais-bonita-do-mundo-vira-ponto-turistico-em-porto-alegre.html
http://www.mobilize.org.br/noticias/2065/recife-planeja-criar-ciclofrescas-ou-ciclovias-sombreadas-ate-2014.html

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Audiência pública sobre mobilidade urbana


A audiência pública sobre mobilidade urbana vai acontecer na câmara municipal de Vitória no 25 de junho, 19h. Vamos precisar de muitos ciclistas para defender as bicicletas como elemento importante na mobilidade urbana em Vitória!
Precisamos estar presente para pedir mais ciclovias, paraciclos, manutenção das ciclovias antigas, ciclofaixas etc...

Estou desenvolvendo um documento que pretendo disponibilizar para as autoridades que discute as prioridades em termo de ciclovia em Vitória. O documento representa minha visão das coisas mas considerou as colocações, as votaçãoes dos membros do grupo ciclistas Vitória do facebook, a comunidade virtual onde é mais discutido a mobilidade urbana dos ciclita em Vitória. Quem quiser participar dessa discussão, quem quiser acrescentar, discordar, por favor, estude o arquivo que está disponibilizada no google docs no seguinte link: https://docs.google.com/document/d/1fLo0hnsGY1akYcLpkdn9NydJxnA5Ns93pQk8WbUo6Os/edit e comente aqui ou no grupo do facebook.



Fonte:
http://www.vereadorserjao.com.br/noticias,2948,audiencia_publica_debate_mobilidade_sustentavel_em.html

domingo, 17 de junho de 2012

Green Smoothie e crudivorismo

Todo começou quando descobri o crudivorismo no facebook. Um ciclista também músico, comia só coisas não cozidas, ou seja é crudívoro! Fiquei interessado e seguindo as sugestões, adquiri o livro 12 passos para o crudivorismo de Vitória Butenko. Comecei a ler o livro antes das nas minhas férias na California, onde encontrei mora minha irmã, e encontrei boa parte da família e comecei a tomar o Green Smoothie industrializado que é vendido lá e que e gostei! Eu comecei a tomar ele no café da manhã como sugerido no livro. Eu já tinha tomado e gostado isso na França mas eu tomava isso com um simples sucos sem saber que era mais do que isso e eu tinha parado de tomar quando voltei no Brasil. Com a leitura do livro 12 passos para o crudivorismo, eu fiquei instigado em continuar a tomar os green smoothies. Na mesma época foi inaugurado uma nova feira orgânica em Vitória e comecei então a comprar quase todas as frutas e verduras que como ali. Fica justamente no meio do caminho na volta do trabalho. Basta parar a bicicleta e encher alforje e sacola ecológica, fixar elas na bike e ir para casa! Tem algo melhor do que isso?

O Green Smoothie que tomo e feito a partir de vários ingredientes mostrados na foto. A preparação é bem simples, basta processar essas frutas, verduras, cereais e castanhas!

as frutas e legumes


Laranjas, cenoura,abacate, maçã, manga (metade), couve, brócolis, hortelã (de vez em quando), também comecei a usar azedinho (mas não me apaxionei!). Faltam na foto algumas coisas, linhaça, chia (venerada pelos Aztecas), castanha de caju crua, aveia integral. Eu não sei exatamente se usar essas coisas se enquadra no crudivorismo porque parece que alguns grãos não são sempre secados mas passam no forno mas por enquanto estou fazendo desse jeito. Aparentemente, muitos grão são utilizado germinados. Estou agra aprendendo a fazer germinar eles. Ainda não tenho uma técnica muito prática mas já fiz germinar trigo que também comecei a usar no green smoothie mas os mosquitinhos atravessaram a tela que usei. Eles adoraram o trigo germinado! Deve ser bom!!

o famoso Green Smoothie!
Nessa lista de frutas e verduras ainda não consegui encontrar em Vitória manga orgânica, abacate orgânico (pequeno e preto), maçã orgânica e ameixa orgânica.

Essa mudança foi muito boa para mim. Já percebi que emagreci sem perder peso(!), provavelmente por causa da diminuição dos gases intestinais. Eu relaciono isso com a supressão do meu consumo de leite no café da manhã mas devem ter outros fatores ligados ao crudivorismo e o fato de eu usar mais a bicicleta do que a bicicleta elétrica (pedelec) para ir trabalhar pode ter sua importância! O Green Smoothie é meu primeiro passo no crudivorismo e valeu muito a pena. Até dizem que dá para reverter diabetes!
Finalmente, não sei até aonde eu vou! Eu não parei de comer carne de vez em quando e pratos cozidos, legumes cozidos, bolo de vez em quando e biscoitos. Preciso aprender a fazer biscoito e bolos crudívoros!

No ano passado, eu nem tinha conhecimento do crudivorismo ou alimentação viva.Eu acho que se eu não estivesse no Brasil, eu não teria aberto tanto minha mente! Obrigado Brasil!! Na França as coisas são mais estáticas. A gente não pensa tanto em mudar as coisas. Como o Brasil está em construção aqui, as coisas são totalmente diferentes!

sábado, 16 de junho de 2012

Praga dos ciclistas: os buracos no asfalto não tampados

Os ciclistas da Grande Vitória e de várias cidades do Brasil com crescimento rápido são confrontados com vários problemas como a carência em ciclovia. Um problema também recurrente são os buracos no asfalto mal tampados ou simplesmente que não foram tampados.

O impacto para os carros é pequeno devido aos amortecedores que consigam compensar em geral bem esses buracos e devido a facilidade de acelerar e frear com um carro.
Enquanto isso o ciclista comum não tem suspensão, alias será que só é no Brasil que precisa-se de suspensão para se deslocar nas cidades com conforto. Eu nem falo d o desgaste das bicicletas que faz com que a manutenção das bicicleta seja muito frequente, atrapalhando muito a vida dos ciclistas. Após alguns meses de uso de bicicleta para ir trabalhar em Vitória é normal ter que revisar a tensão dos raios. Em cidades normais, esse tipo de manutenção não é feito ou muito raramente! Talvez depois de 10 anos? Em Vitória eu já cheguei a ver trincar um aro, coisa inédita para mim, Eu nunca tinha ouvido falar disso mesmo!!
Andar nas ruas de Vitória com uma bicicleta de corrida, por exemplo, se aparenta mais a uma corrida de Ciclocross com obstáculos do que uma corrida no asfalto e na verdade é bem mais desagradável. É um descaso total.


Em Vitória é fácil ver que a maioria dos problemas é encontrada em locais onde uma empresa abriu um buraco e não fechou ele corretamente. Também há casos frequente em que a empresa simplesmente não repõe asfalto nenhum, colocando terra, areia etc... É um descaso. total. Isso acontece por causa das empresas que estão fazendo muitas obras em Vitória. Vitória é um canteiro de obras que parece um campo de guerra com asfalto péssimo mas o que fazem em geral os executivos municipais? Nada!

Recentemente, porém, não foi o caso em Vitória aonde foi votado uma lei para multa as empresas nesses casos específicos. A multa é realmente pequena mais já melhorou um pouco esse descaso. O ideal seria ter uma lei um pouco mais pesada.

Por enquanto não sei se foi definido como serão aplicadas as multas... Estou no aguardo porque justamente os ciclistas sofrem muito disso...



Fonte:
http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2012/06/noticias/a_gazeta/dia_a_dia/1262381-obras-em-vitoria-multa-para-quem-nao-tapar-buracos-em-48h.html

domingo, 10 de junho de 2012

Peça seu microgerador solar para o Papai Noel!

Em agosto de 2008 eu postei um curto artigo sobre a possível normalização da microgeração de energia eletrica. Recebi esse ano algumas notícias de avanços.

A resolução normativa nº482 da ANEEL de 17 de abril de 2012 estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica, o sistema de compensação de energia elétrica, e dá outras providências. Em particular, para consumidores, a microgeração distribuída corresponde a central geradora de energia elétrica, com potência instalada menor ou igual a 100 kW e que utilize fontes com base em energia hidráulica, solar, eólica, biomassa ou cogeração qualificada.

Em particular, a resolução define as seguintes normas:
- as distribuidoras tem um prazo de 240 dias a partir da data dessa resolução normativa para permitir a microgeração (<100kW) e minigeração (>100kW e <1MW), ou seja os consumidores podem fazer o seu pedido de solicitação de acesso ao sistema de integração de microgerador  a partir do 13/12/2012, um pouco antes do Natal!

- o faturamento de energia elétrica será a diferença entre a energia consumida e energia produzida pela micro ou minigerador de energia elétrica (em princípio energia ativa),

- o consumidor que quer instalar instalar micro ou minigeração distribuída será em princípio responsável pelos custos de adequação do sistema de medição, necessário para implantar o sistema de compensação de energia elétrica. Tal valor deve ser calculado pela diferença entre o custo dos componentes do novo sistema de medição,

-após a adequação do sistema de medição, a distribuidora será responsável pela sua operação e manutenção, incluindo os custos de eventual substituição ou adequação,

- para desburocratização do processo de registro as distribuidoras ficaram responsáveis pela coleta de informações junto aos microgeradores e minigeradores para envio à ANEEL,

- O prazo de validade dos créditos de energia será de 36 meses,

- aparentemente, o consumidor deverá pagar dois impostos, o TUSD e TUST mas com redução de 80% em caso de produção de energia solar. A redução passará a 50% depois de 10 anos de funcionamento. Após 2017 o desconto inicial só será de 50%.

- para microgeradores, só será preciso um medidor medindo a potencia ativa consumida e produzida.

- ainda existe indeterminação quanto a incidência de imposto incidência de tributos federais (PIS, COFINS) e estaduais (ICMS) no sistema de compensação de energia cabendo segundo a ANEEL a Receita Federal do Brasil e às Secretarias de Fazenda Estaduais tratar da questão,

Por enquanto não achei muitas empresas na internet vendendo microgeradores de energia renovável, só conheço a Brasil Hoobby mas não sei se ela se encarrega da instalação. O microgerador solar que eles vendem e tem potência nominal de somente 1 kW.

Tem outras empresas no ramo? Será que alguma empresa viria fazer a instalação em Vitória de um microgerador solar ou combinando energia solar com eólico?

Atualização: tem também o site energia pura que tem sistema tie-grid de 1,5 kW, 3,6 kW, 7,2 kW etc... https://www.energiapura.com/categoria/9


Como já escrevi em outro artigo, o estado do Espírito Santo tem uma matriz energética muito pouco renovável e com tendência a ser menos renovável  na contramão das tendências atuais. Sua matriz energética de energia elétrica já contém mais de 60% de energia não renovável e deve passar a ter mais de 70% de energia não renovável depois da implantação da usina térmica da Vale. Precisa se portanto, muito da implantação desse sistema de microgeração distribuída aqui!

sexta-feira, 8 de junho de 2012

O mistério da ciclovia do Centro em Vitória


"Prefeito dá ordem de serviço para obras do Calçadão do Porto"
O site declarava ainda que:

"Pedestres, ciclistas e usuários do transporte coletivo circularão no Centro de forma mais segura, com a construção do Calçadão do Porto, que ligará a Ponte Florentino Avidos ao Armazém 5 da Codesa. As obras - que se iniciam este mês e têm prazo de conclusão de 180 dias" contemplam a criação de baias de ônibus, a implantação de ciclovia e a reconstrução das calçadas. A ordem de serviço será assinada pelo prefeito João Coser na terça-feira (18), às 9 horas, na portaria sul da Codesa (próximo à Ilha do Príncipe). 

 O site continua com o seguinte:

As bicicletas, que chegam a 350 nos dois sentidos na hora pico (das 6 às 7 horas e das 17 às 18 horas), disputam atualmente lugar com os carros.



 O site finalmente detalhe como será a ciclovia:

"A obra também inclui a construção de uma ciclovia com 2,5 metros de largura. De acordo com diagnóstico feito pelo Plano Diretor de Transporte Urbano, em 2000, na Grande Vitória a bicicleta respondia por 4% de todos os modos de transporte, sendo 2,75% da demanda referente a Vitória. Segundo pesquisa de contagem de bicicletas, realizada em 2004 em frente à entrada de caminhões da Codesa, 40% dos entrevistados apontaram o trecho entre a entrada da Codesa e o antigo Aquaviário como o principal problema de percurso. Esse trecho, aliás, está entre os três de maior demanda de uso de bicicleta no município. Os outros situam-se nas avenidas Serafim Derenzi e Fernando Ferrari.(...)

Para a realização da obra, a Codesa cedeu uma área à Prefeitura. Para a realização das melhorias, que vão privilegiar a circulação de pedestres e ciclistas e garantir mais segurança aos usuários do transporte coletivo, serão suprimidas aproximadamente 120 vagas de estacionamento.
Orçadas em R$ 1,8 milhão, as obras do Calçadão do Porto serão executadas pela Duto Engenharia e atendem às diretrizes do Planejamento Urbano Interativo do Centro, plano de ação elaborado em 2006, por moradores, comerciantes e poder público, dentro do Programa de Revitalização da região. Segundo o plano, a região requer a implantação de áreas adequadas para embarque e desembarque de usuários de ônibus, adequação das calçadas às normas de acessibilidade e instalação de ciclovias. Também constam, como diretrizes para o planejamento urbano do Centro, integrar o porto à cidade e valorizar o percurso orla. (Angèle Murad)

O projeto foi assinado, orçado e prefeito deu ordem de serviço mas a ciclovia e o calçadão não foram feitos. O que realmente aconteceu? Quantos ciclistas deverão morrerão nesse trecho que chamei de corredor da morte, até que esse projeto seja implementado? Quanto dinheiro público foi desperdiçado?


Fonte:

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Paraciclos em Vitória, um descaso total!

Além da necessidade de implantar mais ciclovia na cidade para promover a mobilidade dos ciclistas, aumentando a densidade cicloviária, precisa-se implantar paraciclos públicos para permitir a esses ciclistas, parar! Isso parece óbvio mas parece que várias cidades Brasileiras não entenderam isso! O mapa dos ciclistas da Grande Vitoria mostrar os raros bicicletários boms.

No melhor dos casos encontramos em geral paraciclos obsoletos...
Lá fora, paraciclos bons, simples e baratos já existe há muito tempo e continuam sendo usados lá fora...

Em Vitória temos principalmente paraciclos inadequados como esse mostrada na foto 

paraciclo obsoleto em padaria do Jardim Camburi
(link para essa imagem no meu facebok)



Percebemos que existe boas intenções mas frequentemente são instalados paraciclos obsoletos de tipo encaixe de roda. Esse tipo de paraciclo tem dois problemas principais:

1) facilita o furto da bicicleta porque não é possível prender quadro e roda no paraciclo
2) a bicicleta está instalada de maneira instável, pode cair e danificar a roda. Mesmo sem cair, todo o peso da bicicleta pesa nos raios da bicicleta.

Ele simplesmente deveria ser proibido. Qual o mínimo que podem fazer as cidades que tem um certo carinho  para os ciclistas? É gerar um esquema para implantar paraciclo e uma norma de paraciclos boa como fez a cidade do Rio de Janeiro como já reportei em um outro artigo intitulado bicicletários para cidades "perfeitas.

Em Vitória, ainda não temos nenhum norma ou esquema para pedir autorização para implantação de paraciclos o que leva a termos paraciclos inadequados ou simples falta de paraciclos em locais onde seria necessário (perto de comércio, teatro, cinema, universidade etc...). Em geral o poste se torna uma alternativa muito melhor do que esses tipos de paraciclos quando o tamanho está de acordo com o tamanho da trava utilizada.

Encontramos porém alguns bicicletários bons em Vitória:

1) No CIAC, prédio da prefeitura (esse é bom, bonito mas se torna mais caro)



2) Na agência do Banco do Brasil da avenida Rio Branco que já reportei em um artigo onde eu afirmava de maneira provocativa que era o primeiro e o único bicicletário bom de Vitória!


 Mas como não existe norma, outras agência novas do banco do Brasil não têm bicicletários como esse como a agência do Jardim Camburi.

3) Bicicletário da Ilha do boi (idêntico aos paraciclos do CIAC)




A prefeitura já sabe instalar bicicletários bons como vimos no prédio do CIAC mas continua instalando bicicletários obsoletos em novas obras como na nova praça Nilze Mendes Rangel. Mas uma vez se tivesse uma norma, isso não poderia acontecer!



Outros paraciclos antigos e obsoletos são também encontrados na Curva da Jurema e já apresentados anteriormente no blog.


Eu também vi um bicicletário bom mas colocado muito perto de uma parede impedindo seu uso! Preciso registar isso e acrescentar aqui.

O shopping Vitória também não tem bicicletários e foi o alvo principal da bicicletada de maio de 2012:



Para terminar acrescento um link para um exemplo de letra para pedir um bicicletário. Ressalto ainda a importância de explicar que o paraciclo precisa ser du tipo U invertido caso contrário não serve para nada. Seria dinheiro jogado fora.

Densidade de ciclovia como parâmetro para caraterizar rede cicloviaria

Num artigo recente, comparei as redes cicloviárias de Vitória e Rio de Janeiro. Minha conclusão foi que apesar do que vemos na imprensa, Vitória tem uma rede cicloviária melhor do que Rio de Janeiro! Devemos portanto festejar? Não! A situação dos ciclistas aqui, em Vitória, é crítica. Mas hoje, eu queria discutir a conceito de densidade cicloviária que eu uso como critério básico para comparar redes cicloviárias entre cidades.

Vamos discutir como princípio de base, cidades em que todos os locais da cidade se encontram a menos de 500 metros de uma ciclovia.

Eu vou começar a discussão, imaginando uma cidade fictícia de forma quadrada de 1km².


A imagem mostra a cidade quadrada de 1 km² e duas ciclovias em vermelho de 1 km atravessando ela de maneira a deixar cada local da cidade a menos de 500 metros de uma das ciclovias. Essa cidade contém no total 2 km de ciclovias para uma área de 1 km². A densidade é de 2 km de ciclovia por km².

Podemos considerar uma cidade quadrada de 25 km². Ela vai ser uma repetição de 25 quadrados de 1 km² (em azul).

As linhas em azul representam um quadriculado de 1 km por 1 km. Cada quadriculado dessa cidade é idêntica a cidade de 1 km² mostrada acima e tem a mesma densidade de 2km de ciclovias por km². Em vermelho temos 10 ciclovias de 5 km! 50 km de ciclovia par 25 km², ou seja. 50/25=2 km de ciclovia por km².


Se a cidade é um pouco mais esticada mas de mesma área, 25 km², de forma retangular, por exemplo de 8,33 km por 3 km, podemos ver que a densidade cicloviária que respeita o critério de base definido acima leva a uma densidade muito parecida e atenderia os ciclistas da mesma maneira, ou seja teria aproximadamente a mesma qualidade.


 Nesse caso temos 9x3+3x8,33= 52 km de ciclovia. Um pouco mais devido ao fato de ter uma ciclovia na lateral direita da cidade. É interessante ver que a densidade cicloviária a qualidade da rede cicloviária até para forma diferentes, retângulos e quadrados!

Podemos ver outros exemplos com uma cidade mais estreitas como essa de 2 km de largura que tem uma densidade cicloviária parecida:

Nesse caso temos 49 km para 25 km², ou seja 49/25= 1,96 km de ciclovia por km². Existe finalmente o caso extremo de uma cidade fictícia de 25 km por 1 km:



Nesse caso é realmente possível ter a mesma qualidade de rede cicloviária do que nas cidades quadradas mostrada acima com uma densidade cicloviária duas vezes menor, com 25 km de ciclovia para 25 km², ou seja uma densidade de 1 km de ciclovia por km², mas é o único caso e é bem extremo! Uma tal cidade seria muito pouco eficiente tornando cada coisa longe das outras mas de qualquer forma uma densidade boa se encontra no minimo entre entre 1 e 2 km de ciclovia por km². Temos que considerar nessa conta além de ciclovia, ciclofaixas e bicycle boulevard etc... Amsterdam tem uma densidade de 1,82 km de ciclovia por km².  Temos que considerar que certas área não contém nenhuma via e portanto devem ser excluídas da área a ser considerada no cálculo. Isso não é facilmente feito a partir de dados disponíveis e demandaria porém um trabalho no caso a caso.

Evidentemente essas considerações teórica têm um limite e precisa-se estudar em detalhe as especificidade da realidade e das cidades mas elas são muito mais úteis para definir uma critério de qualidade das rede cicloviária de uma cidade do que a extensão total das ciclovias de uma cidade...

 A partir de um caso prático, é possível imaginar que uma ciclovia "irriga os ciclistas" até uma dada distância, por exemplo, aqui considerei 500 metros. Vou focar agora na cidade de Vitória. Nessa cidade podemos ver que muitas ciclovia não são conectadas com os bairros, e portanto isso não se aplicaria, não existe a irrigação! Para alcançar as ruas adjacentes às ciclovias, como por exemplo no Jardim Camburi onde entrar no Bairro, não existe solução decente. Você pode (1) atravessar num faixa de pedestre e entrar numa precisa-se atravessar uma grande avenida estreita e muito movimentada ou (2) atravessar uma grande avenida super movimentada em local impróprio, andar nessa avenida até entrar numa rua bacana para ciclistas. Respeitar a lei ali é coisa de especialistas. Os demais andam na calçada... Isso inibe a adesão de novas pessoas a bicicleta como meio de transporte.

Podemos ver que devido a geometria da cidade de Vitória, perto da Serafim Derenzi, já seria muito bom ter um única ciclovia ali. Por enquanto temos uma ciclofaixa compartilhada com estacionamento de carro, ou seja, não funciona por omissão da autoridades que não multam os carros ali estacionados. Temos ainda muita coisa para fazer!!

Em um artigo antigo eu já comparava as redes cicloviárias de algumas cidades Brasileira e do mundo usando esse parâmetro.

Comparando rede cicloviparia de Vitória e do Rio de Janeiro

Prezados leitores, eu já tinha introduzido o conceito de densidade cicloviária numa outra postagem onde montei uma tabela mostrando os dados de densidade de ciclovias para algumas cidades Brasileiras e algumas cidades modelos do mundo.

Eu quero aqui aprofundar esse conceitos, relacionando ele diretamente com a qualidade de uma rede cicloviária. Em outros termos, a densidade cicloviária seria um parâmetro fundamental da qualidade da rede cicloviária de uma cidade. Seria um parâmetro muito mais interessante do que a extensão total da rede cicloviária. Esse parâmetro permite comparar cidade de tamanhos muito diferentes. Só vejo na imprensa aparecer a extensão total da rede cicloviária o que não indica se essa extensão é boa ou ruim porque depende da área total da cidade.
É possível por exemplo comparar duas cidades de tamanhos totalmente diferentes como Vitória, a cidade onde moro atualmente e conheço bem a rede cicloviária e Rio de Janeiro, uma cidade onde morei, conheço poucas coisas da rede cicloviária e que está sendo muito mostrada por seus investimentos em termo de ciclovias e outras coisas necessária para promover a segurança dos ciclistas que é a condição sine qua non do desenvolvimento do modal bicicleta numa cidade.

Vitória tem atualmente 28,6 km de ciclovias e uma área de 93,4 km, ou seja uma densidade cicloviária de 28,6/93,4=0,3 km por km²
Segunda a SMAC, Rio de janeiro já alcançou 235 km de ciclovia em junho de 2011, o site planeta sustentável indica somente 160 km de ciclovias em junho de 2012. Como a área do Rio de Janeiro é de 1182 km² a sua densidade cicloviária vale 235/1182=0,2 km por km² 

Usando esses valores, Vitória está a frente do Rio de Janeiro em termo de densidade de ciclovia. Porém é provável que se Vitória não intensifica a sua política de implantação de ciclovia, logo Rio de Janeiro terá uma estrutura cicloviária melhor do que Vitória.

Já postei um artigo sobre a densidade de algumas cidades. Podemos ver que em cidades onde temos uma real mobilidade dos ciclistas temos uma densidade significativamente maior do que 1 km de ciclovia por km² com Amsterdam que tem 1,8 km de ciclovia por km². Num próximo artigo vou aprofundar o conceito de densidade cicloviária. E explicar a que corresponde uma cidade  que tem 2 km de ciclovias por km², o que é mais ou menos o que uma cidade precisa ter para ser considerada amigável do ciclista.

domingo, 3 de junho de 2012


Hoje a Renata Falzoni publicou no seu facebook, um vídeo que mostra o discurso que fez na Assembleia legislativa no dia do meio ambiente em que recebeu uma homenagem na assembleia legislativa. Ela realmente falou tudo o que os cicloativistas estão pensando. Ela descreve o descaso total da imobilidade urbana em São Paulo e denunciou as políticas públicas dando apoio indiscriminada a mobilidade dos carros que levou ao resultado dramático que é o trânsito mais do que caótico de São Paulo.
Meus parabéns Renata Falzoni. Com certeza vamos reciclar essa fala em audiências públicas, debates sobre mobilidade urbana! Já está prevista uma audiência pública em Vitória para o 25 de junho se eu não estou enganado! Estaremos lá presente, trazendo um discurso muito semelhante a Renata Falzoni.
 
 Anotei alguns dados interessantes do seu discurso:
- Sorocaba 90 km de ciclovia em 8 anos (mais de 10 km por anos!) 
- 85% da poluição do ar de SP provém dos carros
- 12 pessoas por dias que morrem em decorrência d a polução (doenças pulmonares)

- 2 pedestres morrendo por dia (provavelmente atropelado)
 
- velocidade alta que mata (70-80 km/h)
- falou dos políticos que investiram verdadeiramente na melhoria da mobilidade urbana se reelegeram facilmente, reelegeram um sucessor ou terminaram o mandato com aprovação altíssima, citou o valor de 82% repassando a dica para os deputados!
Falou da fala recente do Lula que diz ser difícil fazer pobre comprar carro...